Devo ou não devo trocar de balde?

Este é um assunto muito recorrente nos grupos cervejeiros e em nossa loja física, sempre nos deparamos com cervejeiros tanto iniciantes como já um pouco experientes, em dúvida se devem ou não separar a cerveja da lama após a fermentação. É um dilema justo, pois há fatores a considerar no cálculo risco/benefício.

O benefício é amplamente sensorial, pois o excesso de levedura em suspensão aumenta a turbidez da cerveja muito acima do desejado, quando for aceitável pro estilo, em alguns não se pode sequer considerar essa possibilidade. além do visual, a cerveja sem fermento em suspensão também tende a ser mais saborosa, pois alguns off-flavours serão evitados ao se eliminar o risco de autolise, ou seja, a morte da célula e o subsequente rompimento da membrana celular com espalhamento de seu interior, que inclui ácidos graxos, que em grande quantidade podem “engordurar” a cerveja. Outro resultado positivo pode ser um melhor controle na carbonatação, já que cervejas com excessivo depósito de levedura no interior da garrafa tendem a ser mais carbonatadas e algumas vezes até explosivas. Claro que o priming também possui influência neste processo, mas uma quantidade correta de priming, combinada com uma reduzida quantidade de levedura dentro da garrafa, resultará em uma cerveja de boa aparência e carbonatação.

Mas, a troca de balde também pode envolver alguns riscos, abaixo vamos listar os principais:
– Oxidação: Pode ocorrer se a troca de fermentadores for feita de forma brusca, com queda livre da cerveja de um balde para outro. A oxigenação leva à oxidação, que age diretamente no aroma e sabor da cerveja, trazendo características como papel ou papelão, metálicas (ferro, sangue, etc.), ou amêndoas amargas (marzipan).Para evitar a oxidação você pode simplesmente realizar a troca de fermentadores através de uma torneira com uma mangueira comprida o suficiente para deixar a cerveja escorrer gentilmente até o fundo do balde, ou de um sifão que irá retirá-la por cima, mas cumprirá a função da mangueira.

– Contaminação: A contaminação pode ocorrer com qualquer cerveja, principalmente após a fervura, mas uma vez que a fermentação foi concluída é mais difícil de ocorrer, já que nesta etapa não há uma quantidade significativa de açúcares, e o pH está muito baixo para alguns microrganismos se alimentarem e sobreviverem. Mesmo com o risco reduzido, algumas leveduras selvagens e bactérias podem sobreviver a essas condições, contaminando a cerveja e produzindo sabores e aromas indesejados, como acidez excessiva, aroma de ovo podre, aroma e sabor de vinagre, entre outros. Outro problema associado a contaminação com leveduras selvagens é a carbonatação excessiva, pois algumas destas leveduras podem consumir açúcares mais complexos. Estes contaminantes podem atingir sua cerveja através do ar (mais difícil), ou se você utilizar equipamentos e garrafas mal sanitizados.

Mudança de equipamento: Uma das maneiras mais seguras para separar o fermento da cerveja é utilizar um fermentador cônico, que possui uma torneira em sua parte inferior por onde a levedura é retirada sem expor a cerveja ao ar, nem fazer movimentos bruscos, ou um fermentador cônico com um copo coletor na parte inferior. como é o Fermzilla. A levedura vai para o fundo normalmente, mas como o fundo é um copo que pode ser desconectado do tanque simplesmente fechando-se a válvula borboleta, o procedimento é prático e seguro para sua cerveja.

Copo do Fermzilla

Já decidiu se você irá fazer a troca de baldes? Na Brew Head Shop você pode encontrar todos os equipamentos e insumos para fazer sua cerveja em casa, incluindo baldes fermentadores, fermentadores cônicos, auto sifão, etc. Conte também com as orientações de nossa equipe para eliminar qualquer dúvida que tiver.

Redes Sociais:
Veja também:
Buscador BrewHead

Newsletter

Redes Sociais:
Últimas noticias
Telefone para contato:

(11) 4362-4520  ou  (11) 4362-4521

Segunda à Sexta-feira das 12 às 20hs | Sábados das 9 às 14hs | Fechado aos Feriados